Quinta, 22 de setembro de 2011, 15h55

Tamanho do texto A- A+
PASTORAL LITÚRGICA
RENOVAÇÃO LITÚRGICA

PascomNSA

"Ainda não se deu à Pastoral Litúrgica a prioridade que lhe corresponde dentro da pastoral de conjunto” (DP 901).

Nestas quatro décadas, sobretudo depois da promulgação da Constituição “Sacrosanctum Concilium”, muito se fez pela renovação litúrgica. As mudanças, em alguns casos, foram radicais: missa celebrada na língua local, maior participação da comunidade, ministros leigos e outras novidades que deixaram muitas pessoas desanimadas, a ponto de dizerem:
“Gostava mais da missa quando era rezada de costas e em latim!”. Mas, contrariamente a essas pessoas, muitos vibraram com as mudanças e passaram a exigir uma renovação que respondesse realmente às exigências dos tempos.
Não há dúvida, um grande caminho foi feito, contudo, há ainda situações que continuam preocupando a Igreja:
• A fraca participação da comunidade celebrante. Anteriormente a culpa parecia estar toda no fato de a liturgia estar quase que exclusivamente na mão do clero. De fato, havia muita razão para essa queixa. Mas, qual seria agora a razão da fraca participação em muitas celebrações?
• Exageros litúrgicos cometidos por certos movimentos da Igreja. Isso já chegou a provocar reiteradas intervenções da Igreja. Fica a pergunta: O que fazer para que a liturgia seja fonte e cume da vida e das atividades da comunidade? (cf. SC 10).

PREPARAR É O CAMINHO
Quem celebra a liturgia de forma ativa, participada, entra mais facilmente na dinâmica comunitária e eclesial da solidariedade e da doação da vida para a construção do Reino, assim como Jesus indicou e testemunhou. Mas, para que isso aconteça, a ação litúrgica deve ser entendida e bem preparada.
Ouve-se ainda queixas desse tipo: a missa foi cansativa, os cantos desafinados, o instrumental exageradamente alto, as leituras feitas sem expressão, a homilia abstrata e pouco voltada para a vida...
Mas como ter uma boa proclamação da Palavra se o leitor for improvisado, sem capacidade ou preparação nenhuma? A música e os cantos são de uma importância extraordinária na liturgia, mas como alcançar isso se os cantos não forem apropriados e bem executados, envolvendo, de preferência, também a comunidade? Por isso, tudo deve ser preparado com antecedência e com capricho.

PASTORAL LITÚRGICA
A pastoral litúrgica coordena toda a liturgia da comunidade paroquial. Nela os cristãos, reunidos em comunidade, alimentados pela Palavra, expressam e fortificam a sua fé em Cristo, morto e ressuscitado, e reassumem o desafio de, na força do Espírito, fazer novas todas as coisas.
A celebração sempre reacende a Esperança na utopia do Reino e provoca a experiência do Deus-comunhão, entre homens e mulheres.
A celebração é um diálogo de comunhão com Deus. É uma experiência comunitária viva e pessoal da nossa participação na vida trinitária.
A ação da equipe de liturgia é um ministério. As equipes nascem com a finalidade de promover a ação pastoral litúrgica em todos os níveis da Igreja.
Dito isso, é fácil entender a necessidade, em cada comunidade, da Pastoral Litúrgica. Dela devem fazer parte pessoas com uma forte espiritualidade e sensibilidade litúrgica. É tarefa desta pastoral organizar com competência e criatividade toda a ação litúrgica que acontece na comunidade, preparando pessoas, dividindo tarefas e criando aquele clima que ajude a vivenciar as sublimes realidades que devem nos conduzir a uma forte experiência de Deus e a nos engajar na transformação do mundo.
“Pastoral Litúrgica é o modo de organizar a comunidade, visando a formação litúrgica, a preparação e a realização de celebrações”.
Como na comunidade existem várias funções, assim na liturgia devem existir pessoas que assumam as diversas responsabilidades: músicos, leitores, acólitos, celebrante, salmistas, cerimoniários, decoradores de ambiente, comentaristas e por aí vai.
 
N a t u r a l - mente, entre eles, deve haver alguém que organize e coordene, realizando o chamado tripé da Pastoral Litúrgica: organização, formação e preparação.
• ORGANIZAÇÃO: articular toda a liturgia da comunidade distribuindo as responsabilidades às equipes.
• FORMAÇÃO: se não houver formação litúrgica das equipes e da própria comunidade, teremos uma comunidade que celebra sem vida.
• PREPARAÇÃO: a improvisação torna as celebrações chatas e pouco participativas.
CONCLUINDO
Pastoral Litúrgica ainda não é levada a sério por muitas comunidades que nem sequer têm equipes próprias para isso. Uma liturgia bem organizada, sem improvisações, é resultado de uma equipe que pensa, organiza, prepara e põe vida e arte em sua realização. Precisamos evitar, a “pastoral do laço”:
Dez minutos, quando não menos, laça-se alguém que está chegando mais cedo para que faça uma leitura, escolha uns cantos, etc. Errado! A comunidade dos fiéis merece muito mais que isso. E Deus, a quem se deve honra e glória, merece ainda mais de nós!
 
40 sugestões para exercer bem o ministério de leitor     
 
«O leitor é instituído para fazer as leituras da Sagrada Escritura, com excepção do Evangelho. Pode também propor as intenções da oração universal e ainda, na falta do salmista, recitar o salmo entre as leituras.
O leitor tem na celebração da Eucaristia uma função que lhe é própria e que deve exercer por si mesmo, mesmo que haja ministros de grau superior.
Para que a audição das leituras divinas desperte no coração dos fiéis aquele afecto vivo e suave pela Sagrada Escritura, é necessário que os leitores encarregados deste ofício, embora não tenham recebido a instituição, sejam realmente idóneos e cuidadosamente preparados.» (Instrução Geral do Missal Romano, nº 66)
«No espaço da igreja deve haver um lugar elevado, fixo, dotado de conveniente disposição e nobreza, que corresponda à dignidade da Palavra de Deus e ao mesmo tempo recorde com clareza aos fiéis que na Missa se prepara tanto a mesa da Palavra de Deus como a mesa do Corpo de Cristo e, finalmente, os ajude, o melhor possível, a ouvir e a prestar atenção durante a liturgia da Palavra... Como o ambão é o lugar de onde os ministros anunciam a Palavra de Deus, deve reservar-se por sua própria natureza às leituras, ao salmo responsorial e ao precónio pascal... Para servir de maneira adequada às celebrações, o ambão deve ser amplo, dado que por vezes têm de estar nele vários ministros. Além disso, devem tomar-se providências para que os leitores disponham, no ambão, de iluminação suficiente para lerem o texto e possam eventualmente utilizar os instrumentos técnicos modernos para se fazerem ouvir facilmente pelos fiéis» (Ordenamento das Leituras da Missa, nº 32, 33, 34)
«A assembleia litúrgica precisa de leitores, embora não instituídos para esta função. Procure-se, portanto, que haja alguns leigos, dos mais idóneos, que estejam preparados para exercer este ministério. Se se dispuser de vários leitores e houver várias leituras a fazer, convém distribuí-las entre eles... Esta preparação deve ser principalmente espiritual, mas é necessária a chamada preparação técnica. A preparação espiritual pressupõe pelo menos a dupla formação, bíblica e litúrgica: a formação bíblica, para que possam os leitores compreender as leituras, no seu contexto próprio e entender à luz da fé o núcleo da mensagem revelada; a formação litúrgica, para que os leitores possam perceber o sentido e a estrutura da liturgia da palavra e os motivos que explicam a conexão entre a liturgia da palavra e a liturgia eucarística. A preparação técnica deve tornar os leitores cada vez mais aptos na arte de ler em público, quer de viva voz, quer com a ajuda dos modernos instrumentos de amplificação sonora.» (Ordenamento das Leituras da Missa, nº 52, 55)
 Conhecer e compreender o texto.
• Quem fala no texto? A quem fala? Sobre quê? Com que finalidade?
• De que género de texto se trata? Um relato? Uma exortação? Um diálogo? Uma oração? Uma censura?
• O que sentem as personagens que aparecem no texto?
• Há palavras difíceis de compreender? Que significam?
• O texto é divisível em partes? Onde começa e acaba cada parte?
Preparar uma leitura expressiva.
• Quais as palavras mais importantes e as expressões ou frases principais que importa sublinhar?
• Onde fazer pausa, breve ou prolongada?
• Onde evitar a pausa?
• Qual o tom de voz (ou tons de voz) adequado ao texto?
• Qual o ritmo (as acentuações, os encadeamentos) e o movimento (acelerado, rápido, espaçado, lento) que se deve usar, no texto ou nas partes?
• Articular e pronunciar bem cada palavra e cada sílaba (não negligenciar as consoantes).
• Não deixar cair demasiado o tom de voz, mesmo nos pontos finais (o verdadeiro ponto final está no fim do texto e que, em nosso entender, salvo poucas excepções, não tem muito lugar na proclamação litúrgica).
• O leitor mais habilitado nunca descuida a preparação antecedente, com exercícios parcelares e com o texto completo, várias vezes e em voz alta.
Exprimir os sentimentos do autor e das personagens.
• A celebração litúrgica actualiza a palavra. O texto escrito torna-se palavra viva hoje, naquele lugar e para aquela assembleia. "Deus fala hoje ao seu povo".
• Não se trata de dramatizar, ou melhor dito, de criar uma ilusão, mas de reproduzir ou tornar vivos um texto e um acontecimento. Não se trata de atrair a atenção para a pessoa do leitor, mas para a Palavra e Acção divinas.
• O leitor tem a responsabilidade de, usando os seus dotes oratórios, a sua técnica refinada e a sua arte de dizer, promover o encontro vital e a comunhão entre Deus que fala e os ouvintes.
Examinar algumas minúcias antes da celebração.
• O Leccionário está no ambão (não uma revista ou jornal, ou folhetos)? Está aberto na página própria?
• O microfone está ligado? O volume, o tom e a altura estão correctos? (Evite-se o seu ajuste durante a celebração, mediante o sopro ou os dois toques de dedos da praxe, ou outros ruídos perturbadores).
• A que distância deve estar a boca para que a voz seja audível e expressiva?
Saber deslocar-se para o ambão.
• Situar-se, desde o começo da celebração, num lugar não muito afastado do ambão.
• Não avançar para o ambão antes de estar concluído o que precede cada leitura (oração, canto, admonição).
• Caminhar com um passo normal, sem ostentação nem precipitação, sem rigidez nem displicência, mas com uma digna e ritmada naturalidade.
Postura.
• Pés bem assentes, levemente afastados e firmes. Não balancear-se, nem cruzar os pés, nem estar apoiado apenas num pé, com pés cruzados ou um à frente e outro atrás.
• Não debruçado sobre o ambão, nem com os braços cruzados ou as mãos nos bolsos. Os braços poderão manter-se pendentes ao longo do corpo, ou dobrados para permitir um leve e discreto apoio das mãos na orla central do ambão (evitando tocar o Leccionário a fim de não o danificar com a adiposidade corporal).
 
Apresentação.
• Não trajar algo que possa distrair ou ofender os presentes, seja por ostentação, seja por desleixo, pouco conveniente ou ridículo (camisetas de anúncios, vestuário desalinhado ou sujo, cabelo "espetado"...). Ter critério e apresentar-se como pessoa educada e normal.
Antes de começar.
• Guardar uma breve pausa para olhar a assembleia, a fim de a registar na mente, pois é para ela que se dirige e também para estabelecer com ela contacto directo antes de iniciar a proclamação.
• Respirar calma e profundamente.
• Esperar que toda a assembleia esteja sentada e tranquila e se tenha criado um ambiente de silêncio e escuta.
Título.
• Ler só o título bíblico. Nunca se leia 1ª ou 2ª leitura ou salmo responsorial ou a frase a vermelho que precede a Leitura.
• Após a leitura do título, faça-se uma pausa para destacar o texto que vai ser proclamado.
 
Ler devagar
• O ouvinte não é um gravador, mas uma mente humana que requer tempo para sentir, reagir, ouvir, entender, coordenar e assimilar. Geralmente, lê-se depressa e não se fazem as pausas adequadas, como pede o texto lido (a pontuação oral nem sempre coincide com a pontuação escrita). A leitura rápida pode cortar o contacto com a assembleia.
 
Ler com a cabeça levantada
• A cabeça deve estar direita, no prolongamento do corpo. Com a cabeça levantada, a assembleia contacta um rosto e a própria voz ganha em clareza e volume e o leitor exprime um texto dirigido à assembleia e não devolvido ao livro.
• Se o ambão é baixo, será sempre melhor suster o livro nas mãos que baixar a cabeça.
• O olhar deverá manter o contacto com a assembleia sem ser necessário os constantes e perturbantes exercícios de levantar e baixar a cabeça.
 
Concluir a Leitura
• Fazer uma pausa após a última frase e antes de dizer "Palavra do Senhor".
• Dizer só "Palavra do Senhor" e nada mais (p.e.: "Irmãos, esta é a Palavra do Senhor" ou outras expressões semelhantes). Trata-se de uma aclamação e não de uma explicação.
• Seria mais expressivo que esta aclamação fosse cantada (pelo Leitor, primeiramente, ou, em caso de necessidade, por outrem). Não sendo cantada, deveria ser dita em tom de voz mais elevado (entenda-se, não necessariamente num volume mais forte).
• Não abandonar o ambão antes da resposta da assembleia.
• Deixar o Leccionário aberto na página do Salmo responsorial ou da 2ª Leitura, para que fique pronto para o leitor que se segue.
• Regressar ao lugar com calma e naturalidade, em passo normal e firme.

Coordenação: Valdir Francisco

Fone: (65) 3661-3547 / 9987-5687 - Cuiabá-MT



   
1 Comentário(s).
Gostei muito das orientações, precisamos melhorar as nossas posturas nas comunidades como leitores, afinal estamos falando em nome de Deus para os seus amados que precisam voltar para casa carregados de força e esperanças,e isto encontramos nas escrituras.
enviada por: MARIA DO SOCORRO ALMEIDA BRITO    Data: 18/08/2012 10:10:18
Comente está matéria

Confira também nesta seçao:
Maio de 2012
19.05.12 10h49 » LITURGIA
Março de 2012
09.03.12 17h52 » Pastoral da Liturgia com nova Coordenação
Janeiro de 2012
30.01.12 14h32 » Oração da Equipe de Liturgia
Setembro de 2011
22.09.11 15h55 » RENOVAÇÃO LITÚRGICA